Artistpara a estação

Gustavo Dias Sosa

Apresentamos a você, neste bairro onde o frio e a escuridão imperam, Gustavo Diaz Sosa, um artistcom uma vasta experiência e um longo currículo dentro do nosso apreciado mundo das Belas Artes. Suas obras mostram configurações em tons de acordo com os dias em que vivemos, cinza e preto, em fundos de telas naturais crus, às vezes pontilhados de vermelho-sangue. Tal combinação de tons elementares, juntamente com seus cenários monumentais, simplesmente congela nossa respiração. E essa coceira na garganta não é por causa do inverno frio da estação atual ou do bicho onipresente que nos persegue sem remédio, não, é que Gustavo sabe transmitir o sentimento de incerteza e frustração em que a sociedade atual se encontra.

Suas grandes telas estão repletas de obras arquitetônicas, referências bíblicas ou mitológicas, pinceladas de pessoas que não encontram seu caminho e agem por automatismos ou opiniões. Sinais de economia e política. De sofrimento e mentiras. Gustavo reflete a sociedade à beira da loucura. Cada elemento em suas obras é um grito cheio de angústia. Um mundo que lembra o do cineasta Fritz Lang com sua Metrópole. Aquela sociedade cinzenta, desanimada, derrotada e caótica. Ou a do próprio Escher com escadas labirínticas incompreensíveis, embora lógicas. A propósito... Para onde vão essas escadas? Por favor, alguém me explique! acho que nem o dele mesmo artista, com uma voz calorosa, nos tirará da dúvida.

Fotografias: David Delgado Ruiz

Da série "De Burocratas e Padrinhos" - 2018

135 x 190 cm - misturado em linho

De Revelações e Encruzilhadas - 2019

150 x 150 cm - misturado em linho

Meu trabalho é uma percepção pessoal e poética do estado atual da sociedade. Acredito que a humanidade vive inconscientemente rendida à falácia que nos é imposta como “verdade” desde o momento em que nascemos.

Da série "Como está em cima, está em baixo" - 2018

195 x 130 cm - misturado em linho

Da série "Como está em cima, está em baixo" - 2019

150 x 200 cm - misturado em linho

Meus personagens fogem sem saber para onde. Encurralados procuram saídas entre os muros erguidos pelo Poder que reina. A multidão tenta se salvar sem perceber que ainda está no caminho incerto.

Da série "Órfãos de Babel" - 2015

160 x 130 cm - misturado em linho

Da série "Wrong Way to Heaven" - 2019

195 x 114 cm - misturado em linho

Quem sou? De onde venho? Para que existo? Para onde vou?A verdadeira resposta a essas perguntas nos tornaria seres livres, porém a maneira como nos "programaram" nos impede de resolvê-las.

últimas entradas

Pito Campos

Pito Campos

Pito CamposSe caminharmos por Córdoba e decidirmos parar em um quiosque para conferir as notícias da manhã, é bem possível que encontremos uma obra de arte na capa de um jornal da região. Mas isso só será possível se caminharmos por Córdoba,...

Sheila Diaz Garces

Sheila Diaz Garces

Sheila Díaz GarcésEsta primavera de 2022, começamos com força e expressividade, com um certo ar transgressor, rompendo temas quentes, delicados e perfumados, como convém à época de floração. E esse poder de tom vingativo no dia a dia da gente...

Olga Cortadelas

Olga Cortadelas

Olga Cortadelles Este Outono, ao contrário dos posts anteriores no nosso mural, queremos apresentar, mais do que uma pessoa, um binómio artístico. Uma figura formada por um suporte e um artistuma. O suporte não tem marca Phoenix, nem nossa amada competição....

Lucia Garcia. Pinceladas conscientes

Lucia Garcia. Pinceladas conscientes

Lúcia Garcia. Pinceladas Conscientes A primavera se foi e nos despedimos de Josune García. Saímos do norte de Espanha, numa curta viagem ao interior da península, para conhecer uma pintora cheia de cor, luz e calor, Lucía García Romero, ideal...